Crônica

sexta-feira, 14 de dezembro de 2018
Coisas que só acontecem com bibliófilos Coisas que só acontecem com bibliófilos C’est la vie! Chegou o dia em que o desapego se impôs. Tive de me desfazer da metade de minha biblioteca. Imposição cruel. Sacrifiquei boa parte da literatura, todas as enciclopédias ― a literária, inclusive, com seus mais de vinte volumes ―, e todos os livros dedicados a temas, digamos assim, mais leves. Foram diversos carregamentos de pesadas caixas que vi sendo levadas para longe de mim, deixando-me desolada. Em compensação, ― porque parece que sempre é preciso buscar desesperadamente recompensas aos nossos sacrifícios ―, a renúncia me impôs uma revisão geral de tudo.
sábado, 14 de abril de 2018
O diagnóstico de Cervantes O diagnóstico de Cervantes O diagnóstico de Cervantes “Encheu-se-lhe a fantasia de tudo que achava nos livros, assim de encantamentos, como pendências, batalhas, desafios, feridas, requebros, amores, tormentas, e disparates impossíveis; e assentou-se-lhe de tal modo na imaginação ser verdade toda aquela máquina de sonhadas invenções que lia, que para ele não havia história mais certa no mundo.”
sexta-feira, 16 de março de 2018
Dai à história o que é da história e à memória o que ela escolher Dai à história o que é da história e à memória o que ela escolher Por que se importar com o cotidiano de gente comum que vive a cidade? Uma cidade. Qualquer cidade. O que fazer dessas memórias de um dia a dia que não é história? Fragmentos da vida de gente simples, humilde, que ocupa calçadas com cadeiras e conversa enquanto a Avenida Paulista dá passagem às massas? Que importa?Muito talvez.
terça-feira, 13 de junho de 2017
Dona Maria Dona Maria Faz tempo que não escrevo sobre coisas minhas. Escrevo muito, é verdade, mas quase sempre sobre assuntos que me tangenciam apenas, sem grandes reflexos interiores. Esse processo ― que costuma travestir-se de objetividade ― obriga-me a certo distanciamento do objeto, esta fórmula que vicia o olhar, de sorte que, passado algum tempo, somem-se as minhas crônicas, os meus contos, os meus dizeres que vêm de dentro. Não há tempo nem espaço para contemplar histórias, pensar o mundo pelo mundo. Parece que só se escreve quando não se tem nada a dizer, um nada cheio de tudo, porém, que parece certo, exato, que se refira a coisas que se deixem medir e pesar. Não há tempo a perder tentando ver o outro.
domingo, 30 de abril de 2017
Uma Kombi de encher olhos Uma Kombi de encher olhos Essa aconteceu com um amigo meu que morou em Paris muitos anos atrás, e agora acabou de voltar pra cidade-luz. A história se passou nos anos 80, durante a primeira temporada dele na capital francesa. Seu pai, riponga na década anterior, era o feliz proprietário de uma Kombi azul por fora e, se bem me lembro do relato, laranja por dentro. Qualquer coisa de impensável nos caretas dias de hoje, mas perfeitamente normal pra psicodélica geração Woodstock.
quinta-feira, 17 de novembro de 2016
A vida nos anos 50; eu era feliz e não sabia! A vida nos anos 50; eu era feliz e não sabia! Muitos dos contratos de bairro entre o comerciante e o cliente começavam pela palavra de honra e um aperto de mão. As mãos tinham a sua importância nos anos 50. Não só porque se faziam muitas coisas com as mãos; também porque as pessoas que faziam coisas com as mãos ainda não tinham começado a ser desrespeitadas e substituídas por máquinas. Não existiam lares de terceira idade. Nem creches. Não falo desse tempo como de um tempo ideal, meia dúzia de coisas dos anos 50 necessitavam dessa introdução à modernidade que se chama igualdade dos direitos civis. Andamos um longo caminho. E agora, que perdemos tantas coisas, talvez fosse bom recuperar algumas...
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10


Copyright 2014 ® Todos os Direitos Reservados.